ABRIMOS NOS DOMINGOS 15 e 22 DEZ.

Aberto de 2ª a Sábado
das 10h às 14h e das 15h30 às 19h30
abrimos à noite para as sessões agendadas

AGENDA

01/04/10

10 de Abril, 17h, no Pátio com Julio Conrado e Vilhena Mesquita por Olhão e Ilha da Armona...

(clicar na imagem para aumentar)

Lisboa, Cascais e a ilha da Armona, em Olhão, delimitam o espaço geográfico em que decorre esta narrativa labiríntica protagonizada por uma pitoresca galeria de poetas, livreiros, críticos literários, barbeiros e viúvas, no tempo da nossa contemporaneidade. Num estilo sugestivo, deliciosamente irónico, o autor faz-nos participar, com gosto, nos quotidianos entrecruzados de F. F., o poeta taciturno eterno candidato ao Nobel da literatura; Diamantino Neto, o típico barbeiro de bairro que sonha com os louros da glória ou Rogélio Bordalo, um arrivista caçador de viúvas ricas, entre outras figuras. Gente conformada? Sim, mas não completamente. Dias pouco épicos, talvez felizes, os destas personagens, mas o amor, a avidez e a vingança entram também em cena, e o crime imperfeito acaba por deixar um rasto de tragédia no quintal sossegado.

Júlio Conrado nasceu em Olhão em 1936, é romancista e crítico. A par de uma carreira bancária construiu uma obra literária que se consubstancia, neste momento, em vinte e cinco livros que tocam quase todos os géneros – ficção, poesia, ensaio, crónica e teatro. Coordenou revistas e jornais de cultura e fez parte dos júris dos mais importantes prémios literários portugueses. Foi, durante vários anos, director executivo da Fundação D. Luís I, em Cascais. Alguns dos seus textos foram objecto de tradução para diversas línguas, entre as quais inglês, francês, alemão, húngaro e grego.

Fonte: Ed. Presença

1 comentário:

tonsdeazul disse...

Desconhecia o autor, até ao momento que me deparei com "Barbershop" numa livraria. Gostei imediatamente da capa, mas foi a sinopse que me convenceu a levá-lo para casa.
Foi uma agradável surpresa descobrir a escrita de Júlio Conrado. Sem dúvida, que voltarei a ler algo mais do autor.
É bom que haja, cada vez mais, apresentações de livros nos algarves! Não vou estar presente nesta do dia 10, mas espero conseguir ir hoje, em Olhão.